Make your own free website on Tripod.com
Histórias
Jacob Momm
Principal | Evaldo Momm | Laurentina Beppler | Fernando Momm | Wilhelm Momm | Friedrich Momm | Nicolau Momm | Benedito Momm | Jacob Momm | Wilhelm Momm Jr | Clemens Friedrich Momm | Pedro Momm

Jacob Momm

 

 

Jacob Momm nasceu em 02.09.1901, na Fazenda Sacramento em Águas Mornas, então pertencente a Santo Amaro da Imperatriz, sendo filho de Johann Momm e de Maria Meyer. Foi criado pelos tios Peter Meurer e Helena Momm. Aos onze anos voltou para a companhia de sua mãe, então casada em segundas núpcias com João Longen.

Aos treze anos saiu de casa para trabalhar em Salto Grande com Baldoino Sens. Exerceu a profissão de carroceiro durante nove anos. Sorteado e convocado para servir o exército nacional, em 1924 esteve no 14 batalhão de caçadores em Florianópolis.

Terminado o serviço militar retornou para Salto Grande. Residia na casa de seu tio Pedro Momm no Faxinal da Vila Nova exercendo a função agora de carroceiro autônomo.

Em 17.04.1926 casou-se com Emília Meurer nascida em 28.06.1907, em Rio Fortuna, filha de João Mathias Meurer e Emma Feuser.

O jovem casal continuou morando na casa do Tio Pedro Momm onde nasceu o primeiro filho João em janeiro de 1927. Mudou-se então para a casa própria próxima a igreja evangélica de Serro Negro.

A partir de 1930, Jacob passou a trabalhar em sociedade com seu sogro que tinha uma venda defronte a igreja católica de Serro Negro, continuando como carroceiro. Em 1932 comprou a venda do sogro.

Em 1935 estabeleceram-se m Perimbó, hoje Petrolândia, abrindo uma casa de comércio, a conhecida casa verde. Trazia mercadorias de longe, o que exigia carroceiros experientes e corajosos, carroças resistentes e cavalos bem tratados, capazes de trafegar por estradas péssimas, sobretudo em épocas de chuva.

A Casa Verde vestia a família do colono. Havia tecidos de riscadinho para camisas, de riscado e brim para calças e de algodão para roupas íntimas. A mulher encontrava tecidos de voal ou de riscado para o vestido e de amorim e algodão para as roupas íntimas.

O colono comprava ainda o sal, o café e o chimarrão, trigo açúcar refinado para as festas. Pimenta do reino, noz-moscada, bebidas, vinagre, querosene, soda cáustica para o fabrico do sabão caseiro e também chumbo, cartucho e pólvora para as caçadas.

A dona de casa encontrava louças e talheres, bacias esmaltadas, gamelas, panelas e caldeirões de ferro, lamparinas e lampiões. Máquinas de costura e de moer carne, ferro de engomar, tudo era manual, pois não existia energia elétrica.

Jacob Momm foi nomeado Escrivão de Paz e abandonou a atividade comercial. Titular do Cartório de Registro Civil de Petrolândia, cabia-lhe formalizar as escrituras de terra, os registros de nascimento, casamento e óbito.

Eleito vereador pelo distrito de Salto Grande para a Câmara Municipal do Município de Bom Retiro, mais tarde também foi eleito vereador da Câmara Municipal de Ituporanga quando este passou a município.

Em 03.06.1965 recebeu a aposentadoria no cargo de Escrivão de Paz do distrito sede do Município de Petrolândia, Comarca de Ituporanga.

Emília sempre esteve ao lado do marido no atendimento aos fregueses da Casa Verde. Por falta de recursos médicos na localidade passou a atender paralelamente as mulheres que a procuravam como parteira. Consta que por suas mãos vieram ao mundo nada menos do que 1620 crianças. Foram quarenta anos de serviço sem hora, sem tempo, com chuva ou com sol. Não olhava distância nem meio de transporte. Sua alegria e dedicação em atender o próxima eram contagiantes.

Jacob Momm faleceu em 02.01.1983 em Petrolândia, portanto com oitenta e um anos de idade. Emília faleceu em 15.09.1978 também em Petrolândia. Tiveram treze filhos.

Em 13.10.1984, com a presença do Governador do Estado de Santa Catarina Espiridião Amin Helou Filho foi inaugurada a Praça Dona Emília Meurer Momm em Petrolândia. Na oportunidade foi dito: Da homenageada fica a imagem de bondade e amor ao próximo, de grande exemplo que foi do que é ser, do que é viver.

 

Mande sua história

Nilo Momm